22.2.08

Nota:

Há 16 anos eu saía do convento.

Um afago na cabeça, uma caminhada solitária pelo corredor do Jardim.
Minha cabeça pendia para o lado enquanto eu procurava o olhar da Irmã Edite.
Ela nem sabe, mas foi ela quem me contou.
Sei lá, talvez ela saiba. Não importa.

Era sábado. E não fazia sol.

Eu continuo ouvindo o coração das pessoas;
Ouvir conversas alheias nunca mais foi engraçado.

3 comentários:

Paulo disse...

Talvez teu post tenha me pego em um momento difícil, mas a história do convento me roubou uma lágrima.

Beijo

Suani disse...

[...]

Dani disse...

Nossa que lindo!!