11.12.07

menos místico e mais prático ou a culpa é de quem??

as guerras sempre serviram para o avanço tecnológico.
isso eu já sabia antes do namorado me explicar sobre o óleo não sei o quê que foi inventado pro avião pousar sem óleo [?].
tem a história dos analgésicos e dos anestésicos, da lei da oferta e da procura...
sempre assim, perde-se uma coisa pra ganhar outra. [no caso, perde-se milhares de vidas pra descobrir que um óleo mais grosso fica mais tempo em um motor. bela troca]

eu tenho uma experiência muito parecida...
há alguns anos, ainda quando eu era graciosa e tinha pernas grossas, costumava esperar eeeeeeeras pra que chegasse o Natal. lembro perfeitamente de uma ocasião em que estava na casa da vó e já sentia o Natal bem pertinho: a casa estava limpa e cheiro de calçada molhada, decoração de Natal e, na televisão, uma vinheta da Hebe Camargo onde aparecia um calendário e a voz do lombardi dizendo "faltam 30 dias para o Natal". saí correndo e fui na área soltar um berro: "Vóóóó!!!!! tá quase no Natal!!!!"

era assim, não importa a distância...podia faltar um ou trinta dias que o espírito era o mesmo. as pessoas se progamavam com antecedência: compravam roupas meses antes e não as usavam por que era pra usar só no Natal, luzes na cidade, jingles na TV, festinhas no colégio, preparação para as férias. tudo era uma coisa só...

pois bem, aí veio a Guerra do Iraque...não sei bem se isso foi pela Guerra ou por que o Brasil perdeu a final da Copa, mas enfim...
acontece que hoje em dia ninguém comemora o Natal do mesmo jeito. a Sinimbú não tem luzinhas, a minha Vó não esfregou a calçada, meu pai não pendurou luzes na janela [ele NUNCa pendurou, já que se caga de medo de altura]...nem o clima tá colaborando!! cadê o calor insuportável de dezembro??? piscina de 1000lt no quintal de casa?? crianças correndo pelo meu terreno brincando de qualquer coisa??
e a nossa árvore?

bom, a árvore de 1,80 de altura foi levianamente substituída por um souvenir de R$1,99.
uma árvore esdrúchula e xulampa que não passa dos 30 centímetros. tu tira ela de uma caixa de sapatos, dá uma balançada e voalá!!, o Natal de qualquer um tá pronto!

maldita Revolução Industrial...

2 comentários:

Thersus disse...

Tu esqueceu de um ponto crucial na história: O ponto em que ninguém mais acredita em Deus, Jesus e etc, mas que "não se sabe porque" continuam comemorando o Natal. Depois de tantos anos sem propósitos, acaba perdendo a graça. E isso também acaba arrastando quem ainda sabia o real propósito das coisas. É tudo culpa do papai noel, aquele velho batuta herege.
Outra coisa, quando somos mais novos, tudo parece mais incrivel, as coisas parecem durar mais, parecem ser mais, parecem importar mais, mas as vezes a única coisa q muda de verdade é a gente.
Pelo menos, ano novo ainda é legal (pra mim pelo menos)

Deus disse:
"Corre filho! Salva a tua alma"
E o menino disse:
"Corro meu senhor, confio em ti!"
Deus disse:
"Corre filho! Salva a tua alma"
E o jovem disse:
"Corro senhor, mas pra salvar a pele!"
Deus disse:
"Corre filho! Salva a tua pele"
E o homem disse:
"Só corro por que quero, não creio em ti"
Deus disse:
"E agora, queres fazer o que?"
E o velho disse:
"Quero te ouvir falar 'corre, salve a tua vida!'"
Mas ele não ouviu

--cara, ultimamente eu ando me martirizando tanto por ser ateu--

Paulo disse...

Me identifiquei muito com esse post! Depois de tantos anos, o Natal virou uma época de trabalho dobrado, extremamente comercial. Saudades de como as coisas eram.
Beijos!