12.2.07

o que sobrou de mim.

Tinha me permitido ser mais fria, sei que é bom pra mim. Juro que até tentei, mas sei que não tentei o suficiente.

Não sei por que insisto em fazer isso comigo. Também não sei por que dói tanto. O amor é um saco, especialmente quando é confundido com uma paixão adolescente, ou com obsessão, ou com ódio, ou ainda quando me faz ser ridicularizada. Ainda bem que eu podia contar com os amigos, mais uma vez. Obrigada!

A Manu me abraçou forte, eu e ela nos olhávamos e as lágrimas insistiam em cair. Surgiu a proposta de não deixar a noite acabar nunca, não deu certo. Chorávamos por motives diferentes mas próximos, e as duas sabiam...só as duas sabiam, mais ninguém imaginava a intensidade d'aquilo tudo. Amo ela, foi uma das melhores coisas que o meu namoro com o Pablo me deu de presente: amizades.

Ser flertada durante a noite por um cara tímido e outro "chato prá caralho" não me fez sentir melhor...ecxeto pela frase, de alguém que apareceu só no finalzinho, como quando a chuva oblíqua chega só pra me mostrar: "uma tarde com você daria até música."

É assim que costuma ser, nem que seja só no momento...mas intenso.

Por Deus, como eu amo sentir assim!!!

2 comentários:

Vento disse...

Nós sempre estaremos por perto...
Estamos aqui prá isso...

mona disse...

Laine laine!
me emocionei com tuas palavras
e...
qualquer coisa!to ai tb.
bjo na bunda
da traficante mona

http://www.monixa.blogspot.com/